20 de junho de 2009

"Viva a palavra! Ela não define apenas o objeto ou a sensação. Ela transforma, ela cria, ela inventa e colore a vida:
— Chuchu-beleza!"

Carlos Drummond de Andrade

Às vezes desdenho de algumas palavras que ouço e depois me arrependo. Toda palavra guarda em si a sua própria verdade, não existe nela erro ou acerto. Os manuais de gramática não são soberbos ao ponto de discriminar todas as palavras que, no cotidiano, roçam a língua das pessoas. Afinal, quem nasceu antes, a palavra ou o manual que lemos na escola? Dia desses, passei por um grande aprendizado lingüístico. Quando no supermercado, uma senhora de pele negra, daquelas que parecem achatadas com a idade, engordando para os lados, me interrompeu. Queria ela a ajuda de alguém ainda não achatado, um jovem que alcançasse um pacote de bolacha posto no topo das prateleiras do supermercado. Disse-me, portanto: “Por favor, pode me ajudar, você que tem mais estratura?”. Após lhe ceder ajuda, imediatamente saquei do bolso uma caneta e um papel, e anotei a palavra: estratura, pensando em ironizá-la, dia desses, em uma postagem a esmo. E vejam só, leitoras e leitores, o meu preconceito expresso no escorregar de minha esferográfica. Por que me coloquei a anotar a palavra com “s” e não com “x”? Por que, em lugar de nela enxergar somente um erro derivado da palavra “estatura”, não interpretei, na formulação da senhora negra, um maravilhoso neologismo? Ora, sim, um neologismo. E dos bonitos, formulado a partir de duas palavras. A tal mulher não quis somente atentar à minha altura e à palavra “estatura”. Querendo ela que eu lhe pegasse uma bolacha, lá em cima colocada, atentou também ao meu potencial de extração de pacotes de bolacha. Logo, estratura. Ou extratura. Palavra que designa o potencial de uma pessoa para, a partir de sua boa estatura, extrair objetos diversos. Diga-me, você que me lê, não é a mulher quase um Guimarães Rosa?

2 comentários:

Anônimo disse...

com certeza você que teve que fazer favor a essa senhora, deve ter, num primeiro momento, feito um esforço extra para aturar tal pedido, ou seja: "extra-atura --> extratura"

Eu sei, HORRÍVEL!!!!!!

Eduardo Serrano disse...

o comentário anterior é do seu pai, mas não sabia como postá-lo, acho que agora aprendi