27 de maio de 2009

Vírgula

Todos já ouvimos, lá em algum ano do primário, de alguma professora, a afirmação de que a vírgula existe para marcar a respiração de quem lê um texto. Todos já ouvimos, também, anos depois, de algum docente que se julgasse superior às tias do primário, a afirmação de que é bobagem essa tal história de respiração, já que a vírgula serve mesmo para organizar os elementos sintáticos das orações.

E serve para os dois fins, por que não? Para organizar os elementos sintáticos, sim, mas também para marcar o ritmo com que deve ser lido o texto que se escreve. Dia desses, conversava sobre isso com alguns amigos. Um deles fez questão de lembrar uma frase irônica e interessante de Mário Quintana:
"Os velhos, quanto mais velhos, mais vírgulas usam."
E eu gostei bastante da tal frase, ela faz sentido. Vejam, por exemplo, leitoras e leitores, um recado que recebi, via Orkut, de meu irmão mais novo, no mês de julho de 2007. À época, tinha ele seus recém-completos 9 anos de idade e queria, através do recado, informar-me (já que estava eu em viagem, na Holanda) de um jogo da seleção brasileira:
"Hoje tem brasil emmmmmmmmm mas é muito tarde para vc é as 21:45 horario de brasilia começa o jogo ai devera ser 2:45 da manha que vai começar o jogo e deve terminar com mais 60 vai dar 3:45 da manha ai e aqui 22:45 com mais 85 vai dar 5:10 da manha ai e aqui 24:10 da noite mas eu te aviso quando acabar o jogo ta pepis estou com muitas saudades biel"
Não há vírgulas! Não é de tirar o fôlego, literalmente? Quanta juventude! Alguém terá a ousadia de censurar tal recado, por puro e insano apego à famigerada 'norma culta'? Alguém terá a ousadia de não enxergar em tal recado uma profunda coerência? Ora, meu irmão escreveu sobre futebol exprimindo, ao seu leitor, o ritmo com que este deve ler suas palavras: o ritmo de um locutor de rádio, a narrar uma partida.

4 comentários:

Gabriel Kassab disse...

Textos metalinguísticos são muito engraçados. Mas, respondendo ao tema sugerido, procuro escrever como pede a chata da norma culta para não cair na tentação do costume. Peguei-me algumas vezes escrevendo "vc" e até "rs" onde esses termos não cabiam.

Aguiar disse...

Pedro, meu amigo, gostaria de, com este comentário, discutir a relevância, diversas vezes enfatizada, da análise, minuciosa e contundente, das vicissitudes de nossa língua, já que, como Caetano, todos, de uma forma ou de outra, gostamos de roçar nossa língua na língua de Camões.
Nesse sentido - e tal é fundamental -, mais uma vez, devemos, honesta e corajosamente, valorizar o léxico e a sintaxe a fim de que possamos, desejosos de mais sabedoria, aprofundar nosso, ainda que sempre modesto, conhecimento gramatical.
Portanto, à guisa de conclusão, quero, novamente, parabenizá-lo, agora de maneira oficial, pelo blog e por seus textos.

Abraços,
Thiago

Victória disse...

Emocionante o recado do seu irmão! De tirar o fôlego!

E a idéia provavelmente era essa, e porque a norma culta o proibiria de se expressar? Oras, falar com seu irmão não requer uma postura formal.

Bi Cat disse...

Você nem sabe quem eu sou, mas vi você como amigo da minha amiga Verônica.
Enfim, entrei no seu blog porque adorei sua frase no orkut na sua definição.
Li esse texto e o que mais gostei dele em especial, mas em todos os que já li, é sua forma de ler as coisas, com um cuidado, um olhar atento e surpreendente.
Gostei muito!