4 de dezembro de 2008

Lendo

O tempo de leitura que dedicamos a um poema é um insulto a ele e ao seu autor. A leitura, ou melhor, o estudo de um poema, merece o tempo de toda uma vida. Tempo que, mesmo assim, talvez não seja suficiente para nos inserirmos em seu universo, composto por cada uma de suas idéias, de seus versos e estrofes. Cada uma de suas letras, vogais e consoantes, sons e palavras. Com a leitura rápida que fazemos dos livros, jamais perceberemos tudo o que um poeta escreve.

O mesmo vale no caso de romances. Há um mês, assisti a um seminário de estudantes do sétimo ano do Ensino Fundamental II da minha escola. Cada grupo de alunos devia escolher um clássico da literatura e dele fazer uma análise. Convidado a assistir à apresentação sobre A Roupa Nova do Rei, aprendi bastante com as crianças. No processo de leitura do livro, não leram somente as suas páginas. Fizeram minuciosa pesquisa da biografia do seu autor, Hans Christian Andersen, do contexto histórico em que a obra fora escrita e das divergências entre as traduções do livro para a língua portuguesa. Com as ferramentas para uma boa análise em mãos, fizeram-na. Interpretaram coerentemente o romance, de maneira “sustentada no texto”, como dizia sua professora, e apresentaram uma espetacular leitura das metáforas utilizadas nesse.

Fui embora da escola feliz por ter visto a análise da criançada, feita com inteligência e crítica. Feliz em notar como perceberam que, munidos de conhecimento histórico e biográfico, podem analisar coerentemente as metáforas existentes nos livros que lêem e como essa análise é prazerosa para eles próprios, leitores. É verdade que, como bem disse a professora, com 12, 13 anos, as crianças têm todo o tempo de mundo para pesquisarem o que quiserem sobre qualquer livro. Não é por isso que a apresentação a que assisti deixou de ser um ensinamento para mim. Saio sempre de um livro com a sensação de que deveria ter lido-o melhor, assim como fizeram as crianças.

A tempo, aliás: belíssimo trabalho realizado pela professora dos garotos e garotas.

Nenhum comentário: