21 de novembro de 2008

Empreendedorismo

Empreendedor, segundo o dicionário Michaelis da uol: "Que, ou o que empreende. 2. Ativo, arrojado". Empreender: "Tentar realizar algo difícil. 2. Pôr em execução. 3. Fazer."

Se empreender designa "tentar realizar algo difícil", muitas pessoas são empreendedoras no Brasil. Qualquer integrante do Movimento Sem Terra, por exemplo, é um empreendedor de primeiríssima. Afinal, existirá algo mais difícil do que realizar a reforma agrária no nosso país? Outro expoente do empreendedorismo no nosso país talvez seja o Protógenes Queiroz, delegado. Depois da reforma agrária, convenhamos, não há fato mais difícil, nessa nossa terra, do que levar um banqueiro, em especial Daniel Dantas, em cana.


Empreendedor, segundo o Jornal Nacional, incessantemente, na semana do empreendedorismo: Aquele que abre seu próprio negócio.

Para a mídia, a maior qualidade que uma pessoa pode ter atualmente é ser empreendedora. Empreendedora no sentido de ser empresária. Ser a pessoa que pensa em abrir o seu próprio negócio e encher seu bolso de dinheiro. Não há nada de criminoso ou desonesto nisso. Mas a mídia vende a idéia de que, sendo a maior qualidade que uma pessoa pode ter, o fato de ser um empreendedor/empresário é, por si só, a maior contribuição que esta pessoa pode dar a sua sociedade. Ou seja, cuidar somente de sua própria vida e de seus negócios. Diz-se deste empreendedor uma pessoa corajosa, arrojada, inovadora. Molda-se esta imagem de perspicácia para, na verdade, estimular nos cidadãos o mais absoluto individualismo. Deve-se ser um pessoa arrojada, sim, mas na aplicação de seu dinheiro. Deve-se ser uma pessoa corajosa e inovadora, sim, mas na abertura de seu próprio negócio. Deve-se ser uma pessoa inteligente, sim, mas para saber manter a estrutura social e econômica vigentes, a economia estável para seus bolsos, o mundo vitorioso pós-Guerra Fria.

Pior é quando se diz da importância da juventude ser, desde já, estimulada ao espírito empreendedor. Adolescentes preocupados em traçar, como metas de suas vidas, a abertura de uma empresa, de um negócio próprio. Um futuro empresário, para movimentar seus bolsos e a economia do país. Tenho eu algo de errado ou realmente não é algo natural adolescentes terem como objetivo de vida serem empresários? Não deve ser essa a fase da vida em que as pessoas querem, sim, ser empreendedoras, mas no sentido real da palavra, aquele que mostrei pelo dicionário?

A divulgação, pela mídia, dessa palavrinha - empreendedorismo - que não mais suporto escutar, traça um futuro individualista, conformista e conservador à sociedade e à juventude. Nesse sentido, não quero ser empreendedor.

2 comentários:

Daniel Serrano disse...

viu os jovens empreendedores ontem no JN? escola avançada, hein!

O Bororó disse...

Ótimo!

Essas reportagens do empreendorismo, tentando adquirir no Brasil um sentimento "econômico-inovador" que os norteamericanos tem por tradição.

Qual é a intenção da globo? Que sejamos 189 milhões de pequenos-empresários?