15 de outubro de 2008

Marta ou Kassab?

O assunto calhou na minha aula de História. Chegamos rapidamente à conclusão. Tanto para os alunos, quanto para o professor, jamais uma disputa política seria tão magnificamente terminada em 0 x 0.

0 x 0.

Depois desse resultado, instantaneamente, apareceria o Maluf e diria: "eu assumo". E ele diria mais. Diria que o resultado foi um empate sem gols porque, depois de seu governo, nenhuma estrada, nenhum metrô, nenhum nada foi construído e, por isso, o povo paulistano se locomove com dificuldade até as urnas. E eu diria mais, se com ele pudesse falar nesse momento. Diria: "Seu Paulo, eu tava tomando o leite do Leve Leite, que o senhor criou para nós, por isso não fui votar." Daria um beijo nele, apertaria suas bochechas e arremataria: "O senhor é do povo!".

Ivan Valente, a coisa melhoraria. Mas ele não é do tipo de aparecer assim, oportunistamente, para tirar o jogo do zero. Apareceria o Quércia, talvez, com aquela cara de pepino que faz metrô.

Mas, tomando partido, se em São Paulo eu votasse, votaria Marta. Não por gostar dela ou do PT de lá, mas porque seu opositor é do PFL. Nos Democratas, não voto nem sob decreto presidencial.

Mas vejam minha imparcialidade na postagem, meus caros. Até mesmo o título desta, em nome da neutralidade, traz os nomes dos candidatos em ordem alfabética. Em ordem alfabética. O problema sou eu, que nunca lembro se o m vem antes do k ou se o k vem antes do m. Vou descobrir agora. Corto caminho, começo a contagem pelo d e confiro. Já já eu volto.

Um comentário:

Daniel Serrano disse...

Afinal, em que Pedro devemos acreditar?